dezembro 01, 2016

O charme do Tryp Hotel Aeroporto    

Aí você pensa: vais fazer um review sobre um “hotel de aeroporto”? ….e aí você pensa novamente: “mas achas que isso tem graça? Achas que eu iria para um (novamente) “hotel de aeroporto”? …bom, é nesse momento que eu te respondo à Ronaldo: “siiiiii!”

A minha experiência no tal “hotel de aeroporto”, que foi simplesmente “amazing”! E acho que simmmm você vai ficar com vontade de ir depois de eu te contar o que vem a seguir.

Tudo em tons cinza e vermelho, muita luz, janelas até ao teto, que é de vidro e tem uma avioneta vermelha pendurada, cópia do primeiro avião que sobrevoou o oceano Atlântico.
A entrada do hotel Tryp Aeroporto tem os ingredientes perfeitos para uma boa viagem. O lobby está cheio de detalhes engraçados. O chão é coberto por um tapete que imita uma pista de vôo a indicar o caminho até a recepção, mais parecido com os stands de check in dos aeroportos. Na parede, relógios com diferentes fusos horários, dados sobre a meteorologia de Lisboa e informações sobre a hora dos próximos vôos. Ao receber o cartão que dá acesso ao quarto, uma oferta de um cálice de vinho do Porto para dar as boas vindas. O sorriso e a simpatia do staff são contagiantes.

Tudo em tons cinza e vermelho, muita luz, janelas até ao teto, que é de vidro e tem uma avioneta vermelha pendurada, cópia do primeiro avião que sobrevoou o oceano Atlântico.
A entrada do hotel Tryp Aeroporto tem os ingredientes perfeitos para uma boa viagem. O lobby está cheio de detalhes engraçados. O chão é coberto por um tapete que imita uma pista de vôo a indicar o caminho até a recepção, mais parecido com os stands de check in dos aeroportos. Na parede, relógios com diferentes fusos horários, dados sobre a meteorologia de Lisboa e informações sobre a hora dos próximos vôos. Ao receber o cartão que dá acesso ao quarto, uma oferta de um cálice de vinho do Porto para dar as boas vindas. O sorriso e a simpatia do staff são contagiantes.

Ao chegar ao quarto, uma atenção doce do diretor do hotel, Paulo Sasseti, pastéis de nata que combinam na perfeição com vinho do Porto, claro. Como agradeci, mas não aceitei o vinho no lobby, no quarto brindei com o meu marido que me acompanhou em mais esta experiência.

A vista do nosso quarto dava para o aeroporto da Portela, que fica a 200 metros, bem pertinho – fui informada logo a chegada que shutles para sempre para não ter que ir carregando o peso da bagagem. O quarto é uma graça, uma imagem do Terreiro do Paço em branco em preto encima da cabeceira da cama, contrasta com a decoração em branco e vermelho do quarto. Pulei para o colchão, a minha coluna agradeceu, senti o tecido dos lençóis e torci para que anoitecesse rápido, tão suaves… a opção de travesseiros é magnífica, ao lado da cama tinha uma especia de menu com várias opções, eu prefiro deles menos duros, tenho a mania de dobrá-los ao meio na hora que vou dormir, manias ….hahaha

A casa de banho é aberta para o quarto, ou seja, a divisória entre a banheira e o restante do espaço pode ser separado por uma cortina, mas o duche e o vaso sanitário já comportam a privacidade necessária, achei o máximo. À noite, testei a banheira com um banho de imersão muito relaxante.

Visitei a suíte presidencial, ampla com três quartos, cozinha, casas de banho e uma sala de estar aconchegante. Deu vontade de passar umas noites lá viu, tenho a sensação que iria me sentir em casa. A decoração, como em todos os outros quartos remete aos pontos mais bonitos e emblemáticos de Lisboa e, tal como no quarto onde fiquei hospedada, em fotografias em preto e branco.

El Spa
Durante o meu tour pelo hotel fui conhecer o spa e aí pessoal, tive a certeza de que este não era um hotel “a brincar”. Não resisti, esqueci o mundo lá fora e fui conhecer os tratamentos, que são mais de 20. O espaço já conquista os nossos olhos à entrada, com a vista para uma piscina interna daquelas que dá vontade de mergulhar na mesma hora, até de roupa…hahaha

Além da sauna e do banho turco, há cinco salas para tratamentos, como vinoterapia, massagem, estética, vichy e até uma sala para o casal fazer o tratamento que escolher, juntos.
Eu optei por uma massagem facial, que durou 50 minutos. Como uso muita maquilhagem e ando sempre preocupada com o surgimento das rugas e companhia, saí de lá revigorada e com a pele hidratadíssima. A minha tarde no spa terminou com um chá verde e umas bolachinhas, num ambiente deliciosamente relaxante! Ando com vontade de lá voltar bem em breve…
Mas não termina por aí, o ginásio do hotel fica na mesma instalação e é bem completo. Está aberto para hóspedes e também para quem quer fazer exercício num espaço mais discreto.

O Tryp Aeroporto tem dois anos de vida, 168 quartos, um centro de congressos com 20 salas para reuniões e conferências, e um restaurante atípico dos outros, o “Colinas de Lisboa”, abre para o pequeno-almoço às 4 da manhã que é para poder servir aos hóspedes que chegam ou partem de madrugada, e vai até às 11h. O buffer é vasto, com frutas da estação, ovos a gosto do cliente, quiejos, pratos frios e doces tradicionais portugueses e também aqueles que fazem a alegria de qualquer chocólatra como eu, em qualquer parte do mundo. O brownies é divinal!

O restaurante tem uma luz natural maravilhosa, cada coluna do espaço é “batizada” com o nome de um ponto da cidade e versos a falar do Rossio, da Sé de Lisboa e do Cristo Rei entre outros. Achei tão interessante que percorri uma a uma e gostei de todas!
Almocei na companhia do Paulo Sasseti, que me confidenciou que o Tryp do Aeroporto “é um caso de sucesso, já que nestes dois primeiros 24 meses foi considerado o melhor Tryp do mundo, pelo clientes”, um trabalho constante e atencioso que Sasseti diz desafiar todos os dias com com prazer.

Buffet ou à la carte, a escolha complicada, dá vontade de provar tudo! Mas preferi conhecer os dotes do chef Paulo Anastácio. Foi Sasseti que o trouxe da rede de hotéis Sofitel, mas o chef já passou por várias cozinhas desde os 18 anos quando resolveu que mergulhar de cabeça nos tachos…hahaha …Foi a procura de novos sabores para a sua assinatura gastronómica longe, passou pelo Perú, México, Argentina, Brasil e por aí vai uma lista invejável, que tornou o cardápio do hotel numa fusão de sabores latino americanos com europeus.

Desde o amouse bouche que realmente abriu o apetite, fiquei rendida ao Peixe com trio de batata doce; as lulas com um purê de ervilhas estava muito saboroso e o azeite lhe dava uma nota final ao paladar fora do comum.
De longe senti o bacalhau com patê de azeitonas e pimento vermelho no topo, a chegar à mesa, tanto o cheiro quanto a frescura fizeram juz as expectativas do que vi de longe.
Amei os secretos no espetinho, a carne estava muito tenra e veio com um dos meus acompanhamentos prediletos, purê de abóbora!

Nas sobremesas me perdi, bye bye dieta! A chef pasteleira, Maria Sanona, é de uma criatividade extraordinária! A palavra certa é “alucinei”, gente é sério! Duas sobremesas de cair o queixo, tanto pelo food styling como pela conjunção de sabores. Um parfait de castanha fumadas com castanhas glaceadas, ruibarbo com ginjinha. Wow! O fumado de castanha perdura no palato durante um bom tempo e vai sumindo silenciosamente. A outra “loucura” doce servida foi uma gelatina de abóbora (me conquistou na hora!), com pão de ló e gelado de côco. Como podem ver na foto, tão lindo como delicioso!

Passar uma noite no Tryp Aeroporto foi uma experiência tão gostosa e relaxante! Tudo totalmente inesperado, um hotel com classe e serviço extraordinário, sem dúvida!

Mais Informações:
Tryp Lisboa Aeroporto ****

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *