maio 09, 2016

Sala de Corte

Fui almoçar com o meu amigo João ao “Sala de Corte” uns dias antes de ir para a China. Como sabia que iria ficar um tempinho sem comer carne á séria, fui com os olhos e o estômago prontos para uma despedida bem temperada.

Um conceito de steakhouse americana com notas portuguesas, e as carnes maturadas bem apresentadas numa arca com porta de vidro à entrada do restaurante.
Aberto há um ano, no Cais do Sodré, o Sala de Corte tem uma entrada bem discreta. Mas dentro, tudo muda. São trinta lugares: dez ao balcão e vinte sentados. Quem diria que outrora a Sala era mais um talho de bairro.

Logo de cara encontro um staff educado e atencioso, preocupado com os mínimos detalhes, o que me fez sentir num verdadeiro espaço de ‘comfort food’. A decoração lembra aqueles cafés americanos para almoços rápido em plena Manhattan, mas pressa é uma coisa que eu não recomendo aqui. Vá sem horários marcados a seguir e, em boa companhia claro. A esfêra das carnes e dos cheiros dos temperos merecem serem degustados com calma.
Tudo o que se faz na cozinha esta à mostra e, para quem senta na barra o show é intenso. Dá para ver as carnes serem cortadas e temperadas. Love it!!!

As entradas mais badaladas são as croquetes de carne com mostarda Dijon, uma dupla que só combina bem quente e com a carne, além de muito bem temperada e picada no ponto. Até então as minhas croquetes preferidas eram as do Gambrinos. Agora fiquei indecisa….hahaha
O carpaccio de novilho com molho trufado vai ser uma das boas desculpas que terei para voltar mais vezes. Bem cortado, com o toque de acidez da trufa a acompanhar, deixa o prato ainda mais leve e gourmet. Perfeito para a minha dieta, perfeito para acompanhar com um bom vinho, perfeito para os dias mais quentes. No Sala de Corte pode-se escolher o tipo de carne que varia entre vazia, picanha, entrecôte, lombo, chateaubriand e o meu escolhido, o chuletón de buey. A minha ‘costela’ fictícia espanhola provou um prato de 750gr de carne médio-bem passada e delirou!
Os acompanhamentos são totalmente recofortantes, o que me deixou com vontade de voltar foi a Dauphionise de Batata Doce, um gratinado bem temperado e com a nota adocicada da batada. Combinei o meu bife também com o esparregado de espinafre com queijo da Ilha, uma loucura para quem gosta desta combinação como eu! O sabor forte do queijo ameniza ao ser misturado ao esparregado.
A cereja no topo do bolo fica por conta da sobremesa. A Pavlova de frutos vermelhos com sorbet de framboesa tem um toque de acidez típico das frutas, e o merengue estava no ponto, crocante por fora e mole por dentro. O sorbet limpou o meu palato, do gosto que ainda predominava da carne.
O falso crumble é que me deixou com vontade de repetir, mas fui forte e resistí à tentação. A razão é porque amo manteiga de amendoim, agora imaginem esta mistura: massa de crumble bem crocante, caramelo, chocolate, a tal manteiga de amendoim e para acompanhar gelado de baunilha. Imaginaram? Pois é, uma explosão de sabores doces com a desculpa perfeita para quebrar a dieta sem culpa! hahaha…

Horário: 12h-15h /19h-00h
Morada: Rua da Ribeira Nova 28 – Cais do Sodré
Preço: 20€ por pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *